quinta-feira, 9 de junho de 2011

Por que será que será?

Nos últimos dias o cantor e compositor Lobão reacendeu um debate muito importante sobre as rádios no Brasil. É cada vez mais difícil ouvirmos uma diversidade cultural no espaço que deveria incentivar isso. A música conhecida como alternativa ou independente, fica a mercê da internet numa concorrência desleal.

Hoje a moda é o mundo colorido, mas não estou falando do universo LGBT, estou falando de uma tribo que leva aos ouvintes letras pobres e músicas de baixa qualidade. Pois é, assim é mais fácil vender...

O certo é que as rádios entendem e constroem um pensamento único e padrão aos seus ouvintes. Não é a toa que no último ano surgiram bandas com o mesmo propósito, Restart, Cine, Strike e por ai vai. Eles viram a brecha do mercado e formaram suas bandas para ganhar dinheiro(e estão ganhando).

Tudo bem, o sistema capitalista ensina isso mesmo, mas e os verdadeiros artistas? Que não se moldam por dinheiro? Que não se adaptam por interesse financeiro e sim por contexto social e cultural? Como ficam?

Outra pergunta que me faço e repasso para vocês, será que a música bem trabalhada também não poderia ser vendida?  Nos anos 80 o rock conseguiu imprimir uma levada de bandas a nível nacional, graças à abertura nas rádios. Assim surgiu Paralamas do Sucesso, Legião Urbana, Barão Vermelho, RPM, Titãs, Kid Abelha e o próprio Lobão. 


Será que eles querem mesmo é deixar o povo ignorante? Deixar a população com o mínimo de informação e questionamentos possíveis? Fico mais próximo dessa idéia.

O pior(ou melhor), é que pela lei eles têm obrigação de fornecer essa diversidade. A Lei n.º 4/2001, que trata da radiodifusão diz no artigo 9º que um dos fins do rádio é de “b) Contribuir para o pluralismo político, social e cultural; “ ou seja, o pluralismo não é um favor e sim um dever.

Agora uma coisa levantada por Lobão é bem verdade, os artistas desistiram de lutar contra os empresários das rádios. Aí fica difícil conseguir algo, ou a gente levanta essa bandeira, ou ficaremos sempre às margens de uma construção cultural.

Assista a entrevista com Lobão na íntegra:



Por Leandro Porto

2 comentários:

  1. Nós sabemos a dificuldade que hoje é ter uma banda autoral, com estilo não tocado nas rádios, temos pouco público em relação a rádio, mais continuamos a lutar e querer mais e mais que nosso som seja escutado.
    Quem sabe um dia chegaremos a escutar muitos estilos diferentes sempre respeitando a cada público e n monopolizando.

    Quem quizer da uma sacada no nosso som escuta aew:

    www.myspace.com/devilsdrinkmetal

    ResponderExcluir
  2. Mas o público é pequeno hoje pq poucos conhecem...

    ResponderExcluir